Arquivo | fevereiro, 2012

Apresentação e burocracia

16 fev

Testando…

(Ok, vamos lá, uma hora eu vou ter que começar.)

Olá!

Criei este blog para que você fique sabendo de tudo o que há de mais legal na minha vida! Tá. Estranho. Não que não tenha nada de legal na minha vida, pelo contrário. Mas nada que venha a ser do interesse de alguém. A questão é que estou planejando um intercâmbio para Lyon (França) em setembro deste ano e, bem, pelo menos minha mãe vai querer saber tudo o que acontecer comigo por lá! Então eu resolvi me adiantar e já ir criando um blog, quem sabe assim eu esteja mais à vontade com isso na hora que as coisas realmente legais acontecerem. Além do mais, já houve em mim uma escritora de diários compulsiva (que não vejo há muito tempo), então talvez eu goste dessa brincadeira.

Isso de ir fazer intercâmbio é complicado desde o início. Para alguns, tipo eu, a complicação começa bem cedo mesmo, anos antes. Quando eu ainda estava no segundo grau fui visitar a coordenação do Francês para conhecer melhor o curso. (Sim, fui lá bater na porta da Lúcia e da Nathalie! hehehhehehhehe) Mas eu fui lá na verdade basicamente para perguntar quais eram as possibilidades de intercâmbio ainda na graduação. Depois, já na faculdade, quando comecei a trabalhar, guardei meu dinheirinho para essa tal futura viagem, mas acabei gastando tudo num curso de inglês (caro, muito caro). Eu realmente queria ir pra França. Mas o tempo foi passando e a possibilidade real de ir pra lá também chegou (no 6° período da faculdade) e adivinhe! Aquela vontade enorme de viajar tinha ido embora. Ou pelo menos, eu não sabia onde ela estava. Na hora de me inscrever para o programa de intercâmbio, eu nem sabia se era aquilo mesmo que eu queria. Muito estresse depois, com aquela sensação de estar desenterrando um desejo abandonado, comecei o processo burrocrático de pedido por uma vaga e uma bolsa e acredite, essa parte é bem chata.

Uma coisa que eu reparei sobre toda essa chatice de preencher formulário, copiar certificados, escrever currículo e carta de motivação (coisa de francês), sem contar ter que ler os editais que saem das trevas mais profundas, é que isso faz com que você esqueça um pouco suas crises existenciais. Ok, talvez seu subconsciente venha a te boicotar. Eu cheguei 3 minutos atrasada pra prova de nivelamento de idioma e não me deixaram entrar. Não me pergunte como fiz pra resolver isso. Mas o atraso, Freud explica. Mas tirando isso, na hora de escrever uma carta pro Monsieur blábláblá tentando convencer o cara de que você merece uma bolsa de estudos, você tem que pelo menos fingir que tem alguma força de vontade (acho que é esse o lance da carta de motivação). Não que dê pra se alegrar com isso, de jeito nenhum. Mas todos os seus sentimentos ruins se transferem para outras pessoas (que criam esses sistemas infernais de seleção) e você pode passar alguns momentos de tranquilidade com seu próprio eu ou seria você?.

Já venci a parte de ser aceita pela UFPR (êeeee!) e já enviei várias coisas pra França. O responsável por isso lá mandou um email dizendo que <está tudo ok>, mas ninguém sabe exatamente o que isso quer dizer. Parece que ainda tenho que ser aceitos pela universidade de Lyon, mas estou na fase <empurrando com a barriga e torcendo pra tudo isso acabar>, então não sei de nada. Mentira, sei que isso só tenho que fazer isso em abril, por isso estou tentando deixar isso de lado.

Enfim!  Muitas outras coisas ainda podem ser ditas sobre isso, e apesar de eu estar sinceramente com vontade de escrever mais sobre as complicações deste momento, não quero fazer disso uma seção de psicanálise logo no primeiro post, então paro por aqui. Continue lendo